Citando figuras no texto

Esse é um problema razoavelmente frequente nas primeiras versões dos manuscritos e teses: a citação de figuras de forma confusa. Muitos desses problemas acabam sendo corrigidos durante a revisão dos manuscritos pelos orientadores, mas talvez seja útil mencioná-los.

  1. Todas as figuras devem ser citadas no texto; não se deve apresentar uma figura que não é citada e explicada explicitamente no texto.
  2. Cite as figuras na ordem em que elas aparecem, isto é, evite mencionar a figura 5 antes da figura 1, 2, 3 e 4.
  3. Quando usar um painel de gráficos (por exemplo, uma figura com 4 gráficos), indique cada figura por uma letra (e.g. a, b, c, d) e use isso na hora de citar (verifique o padrão da revista para a qual você pretende submeter o manuscrito). Ou seja, ao invés de dizer “na Figura 2, gráfico superior esquerdo”, diga simplesmente “na Figura 2a” ou “na Figura 2(a)” (verifique o estilo da revista). É muito mais simples e direto. Explique também o significado de cada gráfico que compõe o painel.
  4. Quando citar a figura, explique o seu significado, como ler o gráfico, o que o gráfico está mostrando e a relevância desse resultado. Por exemplo: “Figure 2a shows the behavior of the signal as a function of the applied voltage, indicating a linear relationship over the range of voltages investigated. This implies that…”

(Essas são algumas das regras mais óbvias que procuramos seguir – se você lembra-se de outra importante, deixe um comentário.)

A “filosofia” por trás dessas “regras” é manter a leitura do texto lógica e linear. Por exemplo, citar uma figura que aparece no final do artigo, antes de uma figura no começo (regra b), força o leitor a pular para o final e voltar para retomar a leitura. Quanto mais claro e direto a referência à figura (regra c), mais rápido o leitor saberá a qual gráfico os autores estão se referindo.

Ou seja, é preciso um cuidado constante por parte de nós, autores, em não complicar a compreensão do texto científico desnecessariamente. Dessa forma o leitor pode focar em compreender a parte científica, que obviamente é o objetivo da tese ou do artigo.

YAG PrYb - 2D

Leia também:

Contribuiu para este artigo: Emico Okuno.

Sobre Eduardo Yukihara

Pesquisador | Professor | Autor
Galeria | Esse post foi publicado em Redação científica e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Dê também a sua contribuição ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s