Como organizar o caderno de medidas

O caderno de medidas é um documento extremamente importante na produção científica. Ele permite:

  • Retraçar os passos de um experimento, ajudando na análise dos dados, na averiguação dos resultados e na identificação de problemas com o experimento.
  • Registrar todas os detalhes experimentais a serem apresentadas nas publicações.
  • Provar a precedência de uma descoberta ou invenção.

Em princípio, um pesquisador treinado na mesma área deve ser capaz de repetir o experimento e reproduzir os resultados usando as notas do caderno de medidas.

Falhas em tomar notas apropriadamente podem ter consequências graves e até impedir a publicação de um artigo. Em casos controversos,  um caderno de medidas incompleto, principalmente sem anotações dos dados originais, abre a possibilidade do pesquisador ser acusado de fraude.

Para manter um caderno de medidas organizado e completo, siga essas sugestões:

  1. Use um livro encadernado contendo páginas numeradas. Escreva na capa o seu nome, informações de contato, título do projeto e período correspondente.
  2. Reserve as primeiras páginas para o sumário e preencha-o à medida em que o caderno vai sendo usado.
  3. Comece cada experimento em uma nova página, colocando no topo da página a data, título do experimento ou estudo e participantes.
  4. Faça um diagrama do arranjo experimental. Anote o tipo de equipamento, modelo, fabricante e parâmetros usados na medida.
  5. Registre o horário ao lado de novas anotações.
  6. Use caneta. Se necessário, registre os erros apenas com uma linha sobre as anotações erradas, para que as anotações continuem legíveis. Cálculos podem ser feitos a lápis.
  7. Cole no caderno: gráficos, resultados de cálculos realizados em computador, fotos do equipamento, etc. Se os dados foram tomados por outros participantes, faça uma xérox dos dados originais e cole no seu caderno de medidas.
  8. Faça todas as anotações no caderno de medidas; nunca use folhas soltas. (Se necessário, cole as folhas soltas com anotações no caderno.)
  9. Registre sempre os dados obtidos (antes de qualquer análise ou cálculo) e indique todos os cálculos realizados para que qualquer um possa reproduzir os cálculos feitos. (Fazer cálculos de cabeça anotando apenas o resultado final causa confusão e impede que a análise possa ser verificada.) Indique as escalas usadas nas medidas, estimativas das incertezas e unidades.
  10. Nomeie cada arquivo de dados obtido de forma que possa ser encontrado no caderno de medidas sem ambiguidade. Eu uso um padrão contendo o ano, mês e dia do experimento, nessa ordem, como por exemplo: “11041101.dat”. Dessa forma eu sei que o arquivo corresponde ao experimento 01, do dia 11 de abril de 2011. A ordem dos números é para que os arquivos sejam listados em ordem cronológica. Como hoje o nome do arquivo não está restrito a oito caracteres, outras notas podem ser incorporadas ao nome do arquivo (e.g. “11041101 – dose response.dat”). No entanto, mantenha sempre uma identificação única, no caso “11041101”. (Evite, por exemplo, “11041101 amostra 1.dat”, “11041101 amostra 2.dat”; apesar do nome do arquivo ser único, falta informação sobre a sequência na qual os arquivos foram obtidos, i.e., nada impede que a amostra 2 tenha sido medida antes da amostra 1.)
  11. Anote todas as conclusões ou observações feitas durante o experimento. Isso facilita lembrar a relevância de cada experimento. Indique o autor de observações feitas por outros participantes.

Outras observações importantes:

  • Certifique-se de que os detalhes anotados serão compreensíveis no futuro. Pergunte-se se em 2-3 anos você seria capaz de se lembrar de todos os passos do experimento usando as notas que tomou.
  • Não adie a análise preliminar dos dados: cole uma cópia dos gráficos ou tabelas com os dados no caderno de medidas no mesmo dia.
Contribuiu para este artigo: Stefanie Menusso.

Sobre Eduardo Yukihara

Pesquisador | Professor | Autor
Galeria | Esse post foi publicado em Prática e ferramentas e marcado , . Guardar link permanente.

5 respostas para Como organizar o caderno de medidas

  1. Marjoire disse:

    Olá,

    boa tarde, obrigada pelas dicas. Estou cursando bacharelado em física e hoje em dia o caderno de medidas não é levado à serio, mesmo no IFUSP…
    grata

    Curtir

    • Marjorie, obrigado pelo comentário. De fato a gente só percebe a importância do caderno de medidas na hora de escrever um artigo ou a tese… No meu grupo a gente usa o caderno bastante na hora de discutir os projetos de pesquisa. Por isso, eu insisto bastante que os alunos coloquem os resultados (gráficos) no caderno para facilitar a discussão.

      Curtir

  2. pocirga02 disse:

    Verdade, o caderno é essencial na hora de reconstruir a história do projeto, no momento de elaborar o artigo. Porém as pessoas que trabalham conosco não o usam corretamente, logo a história pode ficar “capenga”, consequentemente o artigo também. Excelente texto, vou até salvar aqui.

    Curtir

  3. Zenon disse:

    O melhor que eu encontrei até hoje sobre esse assunto é este daqui:

    Kanare, Howard M: Writing the Laboratory Notebook. Washington D.C.: American Chemical Society, 1985. ISBN 0 8412 0933 2

    Entra em detalhes que você não encontra fácil por aí. Vem com um apêndice mostrando fotos de páginas de cadernos de laboratório de cientistas conhecidos, e outros nem tanto, como o do cara que batizou os “bugs” da programação. Está lá a foto da página, com o inseto pregado com fita adesiva ao lado da anotação registrando a eliminição desse bug que tinha parado o sistema dele.

    Curtir

Dê também a sua contribuição ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s