Preparando gráficos para um artigo

Esse artigo contém sugestões de como melhorar os gráficos, baseadas na nossa experiência (como autores e revisores) e em recomendações dadas por revistas científicas e pelo American Institute of Physics (AIP) [1].

Primeiro. Identifique o objetivo do gráfico, i.e., o que se pretende comunicar? O objetivo é demonstrar que a resposta é linear com o estímulo? Ou é demonstrar a reprodutibilidade de um experimento?

As escolhas feitas durante a preparação do gráfico (por exemplo, dados apresentados, tipo de gráfico, tipo de escala, região de interesse, etc.) têm o objetivo de evidenciar o significado dos dados. Portanto, essas escolhas devem ser guiadas pelo que estamos tentando comunicar e devem tornar a comunicação a mais clara possível. O gráfico não é simplesmente um “lugar onde se colocam os dados”.

Segundo. Recomendamos a utilização de um software apropriado para gráficos científicos. Gráficos preparados em Excel em geral têm uma qualidade inferior quando comparados a gráficos preparados usando programas apropriados, como por exemplo o MicrocalTM Origin (MicroCal Software, Inc.) e o SigmaPlot (Systat Software, Inc.).

Terceiro. O gráfico precisa ser claro e fácil de “ler”. Segundo o AIP, os gráficos devem ser auto-explicativos [1]. A Figura 1 apresenta um gráfico obtido com o Microcal Origin, mas sem qualquer modificação. Este exemplo contém muitos problemas: as escalas são difíceis de ler, as curvas estão muito claras, quase desaparecendo, o significado das curvas requer a leitura da legenda e o título é desnecessário. Embora a Figura 1 tenha sido preparada para ilustrar esses problemas, é comum ver esse tipo de gráfico em manuscritos submetidos para publicação.

Figura 1. Exemplo de um gráfico mal preparado.

Baseado na Figura 1, as seguintes modificações podem ser feitas:

  • Aumente o tamanho das letras e dos números. O tamanho deve ser adequado para a leitura depois de redução para o tamanho de impressão.
  • Use melhor a área do gráfico. O espaço do gráfico deve ser usado de forma eficiente para ilustrar a idéia a ser comunicada; o AIP considera inaceitável figuras com grandes áreas em branco ou sem material gráfico [1].
  • Elimine o título. O título é desnecessário em artigos publicados, uma vez que a informação essencial é fornecida na legenda do gráfico.
  • Aumente a espessura das linhas. A visualização das linhas deve ser possível depois da redução para o tamanho da impressão.
  • Indique o significado das curvas no gráfico. Isso é recomendado pelo AIP e torna a leitura do gráfico mais direta.
  • Altere a escala para facilitar a leitura. Indique as unidades e potências apropriadamente. Seguindo recomendação do AIP, podemos usar “TL intensity (106 cps)” ou 106 TL intensity (cps) mas nunca TL intensity × 106 cps ou TL intensity/106 cps devido à ambiguidade (TL intensity × 10 6 cps indica que os dados foram multiplicados por 106 ou que eles ainda devem ser multiplicados por 106)? [1].

Usando essas sugestões obtemos a Figura 2 abaixo, muito mais direta, clara e profissional do que a Figura 1.

Figura 2. Exemplo de uma figura bem preparada.

O uso de cor na Figura 2 não é necessariamente um problema, contanto que a impressão em preto-e-branco seja satisfatória. Muitas revistas imprimem o artigo em preto-e-branco, mas mantém o gráfico em cores na versão digital disponível online. (Ainda assim a figura não é perfeita: a curva da amostra 3 pode ser um pouco difícil de enxergar.)

A escolha dos símbolos também pode afetar o entendimento dos gráficos. Compare as Figuras 3 e 4 abaixo. Qual delas é a mais fácil de entender? A sugestão é: na medida do possível, escolha símbolos que sejam simples e fáceis de distinguir.

Figura 3. Exemplo de gráfico com apresentação confusa.

Figure 4. Exemplo de gráfico com símbolos simples.

Antes de preparar o manuscrito, é importante ler com atenção as orientações dadas pela revista científica na qual se pretende publicar o artigo. Acima de tudo, é necessário ter constantemente a preocupação em apresentar a informação de forma mais clara possível, o que contribui para o entendimento do artigo em geral.

Leia também:

Referência:

1. AIP, AIP Style Manual. (American Institute of Physics, Woodbury, 1990).

Contribuíram para este artigo: Stefanie Menusso e Emico Okuno.

Sobre Eduardo Yukihara

Pesquisador | Professor | Autor
Galeria | Esse post foi publicado em Publicações e marcado , , , , . Guardar link permanente.

7 respostas para Preparando gráficos para um artigo

  1. Pingback: Principais erros a evitar ao preparar um manuscrito | Ciência Prática

  2. Henrique Kopke Filho disse:

    Orientações muito úteis para serem levadas às aulas de leitura e análise de artigos científicos tanto em nível de Graduação quanto de Pós-Graduação.

    Curtir

  3. Susilene Maria Tonelli Nardi disse:

    Poderiam me dizer o site que consigo baixar o MicrocalTM Origin (MicroCal Software, Inc.) e o SigmaPlot (Systat Software, Inc.), se são free e caso contrario quais podem substitui-los e que posso fazer download. Att
    Susi

    Curtir

  4. Gisela Del Fava disse:

    Gostei muito do artigo e das considerações.Alguns pontos levantados me permitiu avaliar como eu estava usando o EXCEL e pretendo utilizá-lo a partir de agora como uma ferramenta mais crítica e comunicativa.

    Curtir

Dê também a sua contribuição ou sugestão.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s